Oia a criatura fazendo bicão...

domingo, março 28, 2010

Bailarino do Fogo

Não sei quem é o rapaz
Que pensa estar na passarela
Quem é ele? Quem é ele?
É a mais bela donzela
Ele dança em seu som
Enquanto o fogo varre a cidade
Ele não tem rumo, não tem lar
Só tem vaidade

O fogo e a guerra varrem a rua
Ele dança na avenida
Gracioso como uma pluma
De longe não se sabe se é ele ou ela
Ele é uma linda dama
A rodopiar na labareda

Ninguém lhe deu abrigo
Ele é um andarilho a vagar
Como pode ser tão bela bailarina?
Em meio a guerra, vem bailar
Rodopiando na avenida destruida
Ele é a mais bela dama a dançar
a bailarina da brasa ardente
Na foligem vem dançar
Dançe, dance, tão gracioso
Logo volta a vagar

sexta-feira, março 26, 2010

Uma Tarde Fria de Julho

Contando as horas, contando os dias
Quando é que vou te encontrar?
Quando eu chegar na capital, baby
Vai ser o melhor dia das nossas vidas

Aqui é tudo tão parado
Me sinto tão sozinha nessa multidão
Nunca acho o que preciso
não quer dar um jeito
Na minha solidão?

Quando estivermos juntos
We gonna rock this town
Baby, me faça em pedaços
Eu iria adorar!

Desfilando pela avenida
Nunca me senti tão bem
Ao seu lado, baby
Não poderia estar melhor
Numa tarde de Julho em São Paulo

No final da tarde
Não há lugar melhor
Famos fazer tanta coisa
Aque até o Diabo vai ficar com inveja
O anoitecer frio nunca foi tão quente pra mim
Faça em pedaços essa garotinha, baby
Ela vai adorar!

A noite fria, no porão
As cores de seus quadros me esquentam
Um copo de vinho cairia bem
Você faz valer toda a viagem
Nessa noite fria
dessa vez, tenho uma bela compania
Pra me esquentar
No melhor dia da minha vida
Numa noite fria de Julho

Nunca tive nada parecido
Como pode ser tão boa sua compania?
E tudo fica colorido belico
Então me perco em um românce
Num porão em São Paulo
Na mais quente noite fria
em toda minha vida

Obrigada pela noite e tudo mais
Nunca me senti tão viva
A proxima parada pra nós
você já sabe onde é
Mas antes espero te encontrar denovo
Talvez numa noite quente em Dezembro!

terça-feira, março 16, 2010

Deixe no Lugar

Me encolho num canto e passo mal
Enquanto você me diz algo suave
Se falo besteira, me sinto mal
E espero esquecer disso

Antes de dormir, peço pra sonhar
Sonhar com o doce rockeiro que me leve
Mas você atropela meus pensamentos confusos
Com suas rodas aro 25'

E eu estava sonhando com um doce passeio
Por um campo de margaridas
Quando enfim achei que encontraria a cura de meu anseio
Você vem e esfaqueia minha mente
Me acorda bruscamente,
Me molha com sua bebida

Eu disse, querido, leve tudo o que quiser
Tudo que pode carregar, tudo que puder
Leve meu dinheiro, minhas coisas, nas suas costas
Leve meu corpo pra onde quiser
Disse, leve tudo que tenho, tudo que pode
Mas não leve minha mente, querido
Deixe minha cabeça no lugar
Levei dois anos da minha curta e vivida vida
Pra ageitar tudo em minha mente
Deixe minha cabeça no lugar

Você nunca quis me tirar mais que umas cascas
De um lampejo de amizade
Você gostaria que eu fosse na sua casa
Mas não sabia se ia me apegar
Eu disse, não leve minha cabeça embora
deixe minha mente no lugar
Pra arrumar tudo, demora mais que horas
Leva uma vida pra ageitar

Eu disse, não mecha comigo, querido
Leve meus braços, leve minhas pernas
Por favor, deixe meu pensamento onde está
Você me atropelou com seu aro 25'
Da minha cabeça,
Não consigo mais te tirar
Não perturbe minha sensibilidade
Leve de mim o pedaço que quiser
Eu peço pra você levar
Só peço, leve meu corpo
Mas deixe o resto onde está

quarta-feira, março 10, 2010

Papai Levou Embora (Minha Mercedes Benz)

Eu tinha um lindo galo
Que cantava na minha janela
Papai levou ele embora
Acabou numa panela
Por que, Papai?
Sinto tanto a falta dele
Por que levou embora
Meu galo de estimação?

Eu tinha uma cadela
Bagunçava a casa toda
Papai levou ela pra fazenda
Nunca mais vi minha cadela
Por que, Papai?
Queria ela de volta
Por que levou ela?

Eu tinha uma gatinha
Tão linda, listradinha
Um dia ela fujiu
Por que, Papai?
Por que ela sumiu?

Eu tinha uma Mercedes Benz
Tods na escola comentavam
Adorava tanto andar nela
Com inveja, todos ficavam
Uma dia Papai levou embora
colocou ela pra vender
Aí já foi sacanagem
Papai vendeu, deu embora
Minha Mercedes Benz
Por que Papai?
Não podemos ficar com ela?
Sinto tanta falta da minha Mercedes Benz

Não durmo mais a noite
Levaram embora meu lindo galo
Minha gata, minha cadela
Mas a Mercedes, foi sacanagem
Por que teve que vender ela?
Por que, Papai?
Por que minha Mercedes Benz?
Tras ela de volta, Papai
Eu gostava dela também

Casaco Perfumado

Eu nem gosto dele
É apenas outro garoto bonito
Que passou por lá
Eu quase nem o conheço
Só o conheço pelo cheiro
O perfume forte
Que ainda está no meu casaco

Santa Adolecencia

Numa ida e vinda tão louca
Os dias são curtos, os anos são longos
Os anos são longos, os dias são curtos
Já não sei o que estou sentindo
Se vejo o tempo passar

3 da madrugada,
Acordo com aquela sensação
Eu adoraria mesmo
É uma noite regada a conhaque
No porão de um pintor
Seria ótimo passar a noite lá
Que bela compania

8 da manhã,
Dia normal na escola
Um lindo garoto, alto, magro
Me pega no colo, sai a me carregar
No meio da aula de Religião
Com aquele perfume barato
Confesso, gostei da sensação

Por que tudo é muito louco
Nessa fase louca em que estou a caminhar
Hormonios, pensamentos
Já não sei me controlar

Chego meio largada
Com os cabelos bagunçados,
Na minha sala de aula
Não saber o certo, o errado
Mas sei com o que vou concordar

Quero mesmo é me casar
Com o filho de uma famosa
Ele me expulsaria de casa
Não olharia mais na minha cara
Pois naquela hora, não duvido nada
que o nome do pai dele, eu irei gritar

Dois vislumbres venenosos
Que dançam em minha mente
Imploro que não vão embora,
Quero curtir essa noite com eles
Tão belos e formosos
Com um rock dançante,
Não saem da minha cabeça

Por que tudo sempre é louco
Já não bato bem da cabeça
Meus delirios e sonhos
Num martini brilhante
Com meus hormonios vou beber
No porão de algum pintor
Ou com aquele lindo mulato
Poderia ser com um dos vislumbres
Aquela boca, que adoraria beijar

Pois nada mais parece são
Nada nunca foi normal
Agora tudo, é até mais claro
Na minha nada santa
Nem um pouco santa
Santa Adolecencia

domingo, março 07, 2010

Arte & Amor

Eu amo mniha loucura
Amo minha exentricidade
Mas você não entende
As minhas necessidades

Você me ama
Te amo também
Mas se me quer
Me quer ao seu lado
Você está fazendo isso tudo errado
Não me ame, ame o que amo
Só assim me conquistaria

Quer ir comigo
Mas não sabe pra onde vou
Você não entende
Do que é feito minha mente
Minha paixão é o Rock n' Roll

A minha arte, minha loucura
toda exentricidade
É tudo que tenho para mim
Se não sente o que eu sinto por eles
Sinto muito,
Não pode sentir isso por mim

Me falou tudo
Mas não disse nada
Isso me deu uma conclusão
Não é do meu estilo, da minha parada
Não seguimos na mesma direção

Não estou criticando
Ou dizendo que quero que seja assim
Não dividimos os mesmos pensamentos
Mas sei o que pensa
Sobre mim

Se não entende o que digo
Se não entende o que quero
Não raciocina comigo
Não leva a vida como eu levo

Só digo que não me ame
Ame o que eu amo
Só assim poderá sentir isso por mim
Não quero que seja como eu sou
Apenas que entenda
O que penso sobre mim

Entenda minha arte
Entre em meus delirios
As minhas ideias, não são bobagem
Mas sei que você não pensa assim

Apenas entenda o que eu amo
Entenda o que eu prezo
Saiba pelo que luto
Quando entender por que minha vida
Gira entorno de um mundo bizarro
Só então, poderá sentir isso por mim